foto 5 (2)Foto: Hercília Melo

As quatro categorias (funcionários, docentes, graduandos e pós-graduandos) das universidades estaduais paulistas estiveram presentes em ato em frente à Alesp para pressionar por mais verbas

A Associação Nacional de Pós-Graduandos esteve presente no ato unificado das universidades estaduais paulistas USP, UNICAMP, UNESP e FATEC na tarde de terça-feira (1º), para pressionar os deputados na votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) por mais verbas para as instituições de ensino.

Os diretores da ANPG, Leonardo Reis (UFSCAR) e Marcelo Arias (USP), apresentaram o seu apoio à greve e às Associações de Pós-Graduandos (APGs), que, apesar das dificuldades encontradas pelos por eles para participarem das paralizações (afinal, apesar da greve, os prazos dos trabalhos não pausam), estiveram presentes no ato.

“As APGs das universidades estaduais paulistas, na medida do possível, estão se solidarizando com essa greve, que não pode parar de crescer. A gente fala na ‘medida do possível’, pois a gente sabe que nós, como pós-graduandos, encontramos diversos empecilhos em protestar, pois o prazo [da entrega dos trabalhos] continua correndo, o relatório para a Capes e CNPq precisa ser entregue, a banca precisa ser constituída… E essa dificuldade que encontramos no nosso dia a dia precisa acabar. Não à toa, o nosso último Congresso, o maior Congresso da história da ANPG, apresentou dentre as pautas, uma sobre os direitos híbridos dos pós-graduandos como pesquisadores, trabalhadores e estudantes. A ANPG vai dedicar seu próximo período a fazer desse um amplo debate com a sociedade. E já começa com as comunidades universitárias em luta para que a gente possa ter reconhecido os nossos direitos, como por exemplo, o direito a férias e a uma bolsa digna, para desenvolver a pesquisa com liberdade”, discursou Arias durante a atividade.

O ato para pressionar os debutados na votação do LDO-2015 teve início às 11h, em frente à reitoria da UNESP, onde uma comissão tentava sensibilizar a Reitoria pela reabertura das negociações. Dali, os participantes seguiram para a Assembleia Legislativa, na zona sul de São Paulo.

“[A atividade de ontem] Mostrou uma unidade na luta entre as três categorias e os diversos campi das quatro universidades estaduais paulistas, USP, UNESP, UNICAMP E FATEC, que fortaleceram o movimento frente aos deputados da ALESP. Além disso, ficou clara a coerência das reivindicações por aumento de verbas, transparência, democratização da gestão, e autonomia frente ao governo do Estado, com a histórica luta por um projeto de universidade pública, gratuita, democrática e de qualidade”, disse Leonardo Reis, diretor da regional de SP.

Por falta de quórum, não houve sessão na Assembleia Legislativa na tarde desta terça-feira (01) e, mais uma vez, não houve a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Espera-se que a votação ocorra nesta quarta-feira (2).

Da redação

Matéria relacionada

27/06/2014 – Debate na USP discute crise orçamentária da universidade

Author

Write A Comment