Thiago Custódio, diretor de Diretor de Tecnologias da Informação e da Comunicação da ANPG, esteve presente em atividades em duas universidades paulistas recentemente, Universidade de São Paulo (USP) e Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).

Ambas as ações fazem parte da Campanha de Bolsas da entidade. A intenção é realizar atividades pelo Brasil visando mobilizar os pós-graduandos em torno do reajuste do valor das bolsas, uma vez que se encontram sem reajuste há três anos.

Leia mais: Campanha de Bolsas: batalha estratégica para a ANPG

Unicamp
As APGs (Associações de Pós Graduandos) da Unicamp reuniram-se no final de abril com a ANPG para debater os rumos e ações da Campanha de Bolsas na Universidade.

As APGs da Matemática, Química e Engenharia, compreendendo a importância da mobilização dos acadêmicos neste momento decidiram três ações concretas:


– Elaboração de material próprio da Campanha, com dados locais;
-Envio dos artigos produzidos pelos mestrandos e doutorandos às agências de fomento (Capes, CNPq) e aos Ministérios de C&T e Educação como forma de confrontar a produção científica com a estagnação do valor das bolsas;
-Instalação de um relógio na entrada do Restaurante Universitário marcando os dias sem reajuste dos valores das bolsas.

USP
Na Universidade de São Paulo um debate foi promovido na tarde de ontem sobre os direitos dos Pós-Graduandos.

Contando com uma expressiva plateia o debate abordou, entre outros pontos, uma dimensão da realidade dos pós-graduandos: a dicotomia entre ser estudante e trabalhador.

Na opinião de Custódio, os pós-graduandos se enxergam também como trabalhadores na medida em que vislumbram em sua pesquisa, em seu objeto de estudo, um processo de intervenção consciente na natureza, alterando-a e modificando-a sob bases racionais e métodos pré-estabelecidos. Essa compreensão não nega a perspectiva de que ainda são uma base técnico-científica em formação. Ainda assim, o contínuo processo de formação não nega ou exclui os produtos da pesquisa. Portanto, trata-se de uma singularidade, a saber, aquela em que a formação coincide-se com os produtos, uma dimensão onde trabalho e aprendizado estão relacionados dialeticamente.

Ainda de acordo com Custódio, a compreensão dessas duas faces da realidade do pós-graduando, como trabalhador e estudante, tem sido fundamental na elaboração e no acúmulo teórico e político da ANPG na definição das ações concretas.

A inserção no mercado de trabalho, o PL dos pós-graduandos e a Campanha de Bolsas também foram assuntos debatidos.

 

Da Redação

Author

Write A Comment