O 5º Encontro Preparatório do Fórum Mundial de Ciência 2013 terá como tema central o tripé Oceanos, Clima e Desenvolvimento. As discussões darão ênfase à identificação das contribuições científicas para a compreensão dos fenômenos naturais, para o enfrentamento e a adaptação às mudanças climáticas e para o desenvolvimento sustentável e inclusivo das populações a elas submetidas.
 
O evento ocorre em Recife, nos dias 15 e 16 de abril, na sede da Regional Nordeste do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), na Cidade Universitária. A conferência de abertura, cujo tema será Ciência e Tecnologia como Política de Estado, será apresentada pelo ex-ministro da Ciência e Tecnologia Sérgio Machado Rezende, professor do departamento de Física e membro permanente do corpo docente de pós-graduação em Física da Universidade Federal de Pernambuco.
 
A programação contempla painéis de discussão e conferências temáticas e conta com a presença de pesquisadores e membros de institutos e entidades ligadas à área científica do Brasil, da Austrália e dos Estados Unidos. Energias renováveis e sustentabilidade nos oceanos, gestão portuária, educação para a ciência, desertificação, ciência, desenvolvimento e inclusão social são alguns dos temas a serem apresentados.
 
O encontro preparatório antecede o Fórum Mundial da Ciência, que acontece no Rio de Janeiro, nos dias 25 e 26 de novembro. Esta é a primeira vez que o fórum ocorrerá fora da Europa. Tradicionalmente, o evento acontece em Budapeste.
 
Desde agosto do ano passado, foram realizados quatro encontros preparatórios, em São Paulo, Belo Horizonte, Manaus e Salvador. Os dois próximos estão previstos para Porto Alegre, em maio, e Brasília, em junho.
 
Histórico
 
O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, em colaboração com as principais instituições científicas e tecnológicas brasileiras e governos da América Latina e Caribe, iniciou em 2009 um conjunto de ações com vistas à elaboração de uma estratégia regional do setor de CT&I para as próximas décadas.
 
O principal resultado foi a formalização de uma Declaração Regional sobre o tema, cujo eixo principal é o estabelecimento de um plano estratégico regional orientado à resolução de problemas comuns que afetam esses países e à necessidade de introdução da temática da inclusão social nas políticas nacionais de CT&I. Essa iniciativa resultou na indicação da cidade do Rio de Janeiro para sediar a edição 2013 do Fórum Mundial de Ciência, que terá como tema central Ciência para o Desenvolvimento Global.
 
Ao final de 2011, com a participação de um conjunto de agentes que compõem o sistema nacional de CT&I, foi criada a Comissão Executiva Nacional do Fórum Mundial de Ciência 2013, formada por representantes de 12 entidades do setor, que tem como missão a preparação, programação temática e coordenação institucional do Fórum Mundial a ser realizado em novembro de 2013. São elas: MCTI, Ministério das Relações Exteriores (MRE), Ministério da Educação – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (MEC-Capes), Conselho Nacional Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCTI), Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Financiadora de Estudos e Projetos (Finep/MCTI), Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE/MCTI), Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), Conselho Nacional de Secretários para Assuntos Estaduais de CT&I (Consecti), Conselho Nacional das Fundações de Amparo à Pesquisa (Confap), Academia Brasileira de Ciências (ABC) e escritório da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) no Brasil.
 
Pela importância do Fórum Mundial de Ciência, as entidades decidiram realizar sete encontros preparatórios ao evento internacional em diferentes capitais brasileiras. Durante os eventos, ocorre o debate de temas relacionados aos principais desafios da ciência no século XXI, no contexto nacional e internacional. Quatro temas transversais são comuns a todos os encontros: Educação em ciência; Difusão e acesso ao conhecimento e interesse social; Ética na ciência; e Ciência para o desenvolvimento sustentável e inclusivo.
 
Reconhecimento internacional
 
Na avaliação do secretário executivo do MCTI, Luiz Antonio Elias, o fato de o Brasil ter sido escolhido para sediar o Fórum Mundial de Ciência 2013 é o reconhecimento do avanço objetivo pelo país na área de CT&I.
 
"O deslocamento do evento da Europa para a América Latina resulta do esforço brasileiro e dos países da América Latina e Caribe na promoção de mudanças estruturais no aspecto da formação de recursos humanos, da capacidade de infraestrutura de pesquisa e laboratorial interna e da ampliação da importância do conhecimento como gerador do processo de competitividade para suas economias", observa Elias.
 
Segundo ele, os representantes latino-americanos tiveram uma participação efetiva no fórum internacional em 2009, quando elaboraram um documento comum, mostrando o avanço da ciência em seus países. "A edição deste ano é significativa para que possamos avançar cada vez mais e estruturalmente na questão do conhecimento no Brasil. Esse evento pode representar um marco. Um divisor que ampliará e multiplicará essa participação".
 
Fonte: Jornal da Ciência
Author

Write A Comment