A formação de recursos humanos cumpre papel central no que se refere ao pleno desenvolvimento científico e tecnológico do Brasil. Ciente dessa importância, é bandeira permanente da ANPG a luta pela valorização e investimento na formação dos mestres e doutores do nosso país.

Exemplos desse empenho são a contribuição destacada e o acompanhamento dado ao Plano Nacional de Pós-Graduação (PNPG), ao Projeto de Lei 2315/2003(PL dos Pós-Graduandos) e às sucessivas e vitoriosas Campanhas de Bolsas.

A ANPG não apenas compôs a comissão de elaboração do PNPG, onde pôde pautar entre outras reivindicações, o aumento do número e do valor das bolsas, como também agregou contribuições de todo o conjunto dos pós-graduandos através de seus fóruns e de uma ferramenta digital, o blog. O plano prevê, entre outras medidas, um aumento de 50% no valor das bolsas, tendo como referência o valor de 2005.

Diretoria da ANPG em campanha de bolsas realizada na semana da posse da atual gestão, em maio de 2010. Foto: Luana Bonone


Outra iniciativa importante na conquista da valorização dos pesquisadores é o PL dos Pós-Graduandos, defendido pela ANPG enquanto política permanente de valorização das bolsas de pesquisa, considerando que o mecanismo de indexação do valor das bolsas aos salários docentes é estratégico e mais importante para a pós-graduação brasileira do que as próprias porcentagens apresentadas.

Leia também: PL dos Pós-Graduandos é desarquivado

O aumento do número de bolsas do CNPq em dezembro de 2010 e a conquista da licença maternidade para as bolsistas da Capes em novembro do mesmo ano foram importantes vitórias da Campanha por Mais e Melhores Bolsas( 2009-2011).

Presidenta Dilma recebe os estudantes. Foto: Roberto Stuckert Filho / PR

Leia também: Vitória da ANPG: Capes aprova licença maternidade

Neste ano de 2011, em reunião realizada no Rio de Janeiro paralelamente à 7ª Bienal da UNE, a ANPG escolheu o reajuste das bolsas como foco da campanha deste ano, visto que há 3 anos o valor das bolsas encontra-se congelado.
A reunião decidiu organizar um abaixo-assinado pela bandeira definida, assim como pautar uma audiência com a presidenta Dilma Rousseff, para que os pós-graduandos pudessem apresentar a sua pauta.

O abaixo-assinado já conta com mais de 40 mil assinaturas e já foi apresentado a presidenta, durante atividade em Brasília compondo as ações da Jornada de Lutas: Educação tem que ser 10!, em referência a bandeira de destinação de 10% do PIB para o setor. Leia mais aqui.

A intenção da ANPG agora é realizar uma caravana com APGs de todo o país a Brasília para as audiências já solicitadas com MCT, CNPq e CAPES, como ação contundente da Campanha da ANPG pelo reajuste das bolsas de pesquisa.

A presidenta da ANPG, Elisangela Lizardo falou sobre a importância do Estado instituir um processo de humanização das bolsas: “Os pesquisadores e as pesquisadoras brasileiros precisam ser munidos das melhores condições para incrementar a produção científica nacional. Isso significa, entre outras medidas, valorizar os pós-graduandos como elemento fundamental desta produção, por meio do reajuste do valor das bolsas e aumento do número, para democratizar o acesso a elas; significa retomar apoios como a taxa de bancada e o auxílio tese, políticas de moradia estudantil para pós-graduandos, implementação de políticas de redução das desigualdades regionais. É preciso, em resumo, investir na humanização das bolsas de pós-graduação, que deve ser um reflexo de uma ousada política de valorização da produção científica nacional”.

 

Da Redação.

 

Author

Write A Comment