Mostra conta com apresentação de trabalhos orais e pôsteres de temáticas diversas
 

 A programação da Mostra Científica da 7ª Bienal da UNE, no Rio de Janeiro, foi divulgada.

A Mostra, que teve mais de 300 trabalhos inscritos, apresentará 52 trabalhos orais e 47 pôsteres de pós-graduandos de todo o país. Com seis sessões para cada modalidade de apresentação, a mostra científica terá os seguintes eixos temáticos: “Trabalho”, “Meio Ambiente”, “Diversidade e Cultura”, “Educação”, “Questões de Gênero”, “Memória e História”, “Políticas Públicas”, “Saúde”, “Propriedade Intelectual”, “Mídia e Comunicação” e “Ciência, Tecnologia e Inovação”.

 
Homenagem

O cientista José Marcio Ayres será o homenageado da Mostra Científica. Formado em Ciências Biológicas pela USP, com mestrado em primatologia no INPA (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia) e doutorado na Universidade de Cambridge, Ayres tornou-se notável ao idealizar a criação das reservas de desenvolvimento sustentável Mamirauá e Amanã na Amazônia, sendo um dos precursores do desenvolvimento sustentável no Brasil. Theófilo Rodrigues, coordenador de C&T da Mostra, valoriza a atualidade das idealizações de Ayres.

A ANPG e a participação do pós-graduando

A ANPG estará presente na 7ª Bienal da UNE e a sua presidente, Elisangela Lizardo, participará do debate sobre popularização da Ciência. O físico Ildeu de Castro Moreira, diretor do Departamento de Popularização e Difusão da Ciência e Tecnologia (DEPDI) do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), também participará do debate.

Além da presença na Mostra Científica, a ANPG participará do 4º Diálogo Nacional de Organizações e Mov. Estudantis (saiba mais aqui). Ainda, haverá uma reunião ampliada da diretoria da ANPG, aberta à participação de APGs e pós-graduandos de todo o Brasil, que ocorrerá no dia 21, a partir das 14h. O local da reunião será divulgado segunda-feira (17).

A participação dos pós-graduandos na Mostra é extremamente importante. Para Eleonora Rigotti, coordenadora de áreas da Bienal, ao reunir no evento trabalhos científicos que não necessariamente estão na academia, como trabalhos de não-estudantes que desenvolvem projetos de pesquisa ou extensão, surge a oportunidade de diálogo entre diferentes áreas, permitindo ao pós-graduando “agregar informação e conhecimento para pesquisa que está em curso”. “O evento não é só de arte e cultura, mas também de ciência”, completa Eleonora.

Theófilo Rodrigues concorda com Rigotti: “o ponto alto da Mostra Científica será a riquíssima troca de experiências entre os pós-graduandos de todo o Brasil que acontecerá durante a apresentação dos trabalhos. Na área científica, esta troca de experiências teóricas e metodológicas é muito relevante”, diz. “A importância de mostras científicas como essa se dá pela necessidade cada vez mais urgente de popularizarmos a divulgação científica no país. (…) O interesse há. O que falta agora é oferecer estrutura para que esse interesse encontre de fato ressonância na sociedade. É aí que se localiza a importância da mostra científica”, conclui Theófilo.

Popularização da ciência

Questão bastante tratada por um dos principais cientistas brasileiros da atualidade, Miguel Nicolelis, e pelo novo Ministro de Ciência e Tecnologia, Aloísio Mercadante, a popularização da ciência no Brasil será também tema de debate na 7ª Bienal da UNE. Theófilo é direto: “ou o Brasil concretiza a popularização da ciência através de pesados investimentos e criação de uma nova cultura científica, ou estaremos destinados a sermos colônia para sempre. Soma-se a isso necessidade da política econômica se alterar. Somente com uma política econômica que reduza os juros e o superávit primário é que a indústria brasileira poderá investir em inovação tecnológica. Acredito que esse seja o tema central do debate”, finaliza.


Quando e onde

A mostra acontecerá entre os dias 19 e 22 de janeiro, no Museu da República, na cidade do Rio, e a programação pode ser encontrada aqui.

Author

Write A Comment