Atualizado em 17 de setembro de 2020.
Após diálogo com a ANPG e representantes discentes da instituição, a Universidade Federal de Pernambuco apresentou proposta para prorrogação de até 12 meses para defesas de mestrado e 18 meses para doutorado. A medida foi apresentada e aprovada ao Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão, e é necessária devido ao impacto da pandemia do COVID-19 na produção cientifica.
Assim, a UFPE tornou-se a primeira Universidade Federal a aprovar tal medida – e a segunda no país, já que a USP já aprovou a prorrogação para até 12 meses. Veja a minuta da medida aprovada no final da matéria.
Embora o prazo de até seis meses já estivesse nas orientações circulares para os programas da instituição, acompanhando as medidas indicadas pelas agências de fomento, a necessidade de uma dilatação maior dos prazos foi levantada pelo diretor de comunicação da ANPG, Vinícius Soares, quando foi recebido pela equipe de Pró-Reitoria de Pós-Graduação (PROPG), no último dia 26 de agosto.
Na ocasião, além dessa pauta, foram debatidas as bandeiras atuais que mobilizam as lutas dos pós-graduandos em defesa da ciência, assim como apresentação do Plano Emergencial Anísio Teixeira.
A Pró-reitora Carol Leandro trouxe os debates principais que têm permeado os fóruns nacionais dos gestores e as mudanças estruturais que a UFPE está desenvolvendo, como na constituição de duas Pró-Reitorias, uma voltada a pesquisa e outra à pós-graduação.
A UFPE convidou a entidade nacional para a reunião ampliada com as representações discentes da pós-graduação da instituição, a fim de dialogar sobre assuntos de interesse geral.
No encontro, que aconteceu no dia 01 de setembro e reuniu 85 representantes discentes, a ANPG apresentou a necessidade da aprovação do Plano Emergencial e os impactos dos cortes para a ciência e tecnologia no país. Além disso, os pós-graduandos presentes destacaram a importância do diálogo, compartilhando questões que afetam cada realidade.
Os pós-graduandos da saúde destacaram os desafios que atravessam em conciliar a atuação no enfrentamento à Covid e o relatório de pesquisa; os estudantes do mestrado profissional partilharam as dificuldades de realização e apreensão de dados neste período, na medida em que as escolas também estão em adaptação à nova realidade.
Além da presença da Pro-Reitora Carol Leandro e sua equipe, também esteve presente o atual reitor da UFPE, Alfredo Gomes, o que se comprometeu em levar adiante a pauta dos prazos adicionais aos previstos regimentalmente, assegurando também as dilatações já transcorridas de seis meses. Destacou também o momento de mudança dos Regimentos dos Centros Acadêmicos, que estabelecerão novas dinâmicas de funcionamento, ressaltando a importância dos pós-graduandos na construção.
A UFPE aprovou recentemente o comitê de Políticas Afirmativas, que reúne escopo de atuação referente à acessibilidade, relações étnico-raciais e políticas de inclusão das pessoas LGBTQI+.  A manutenção de espaços de diálogo foi o compromisso entre todos os presentes, bem como o engajamento pra a reversão da previsão orçamentária para 2021, que fragiliza a atuação das universidades e sua função social.
A ANPG seguirá acompanhando a apreciação das pautas de interesse dos pós-graduandos.

Write A Comment