A associação dos Médicos Residentes do Estado de São Paulo (Ameresp) lançou nota crítica à forma e ao momento em que se organiza greve nacional da categoria. A entidade paulista, entretanto afirma que a pauta é justa e consensual dentro do movimento de médicos residentes e convoca mobilização no vão do MASP, em São Paulo, nesta quinta-feira (19).

Leia a nota oficial da Ameresp

 

"A greve é convocada em um momento um bocado inoportuno, em que o congresso está em recesso branco e, na avaliação da Ameresp, com poucas chances de vitória expressiva", analisa o diretor de Saúde da ANPG e tesoureiro da entidade estadual, Pedro Tourinho. 

A greve foi convocada pela Associação Nacional de Médicos Residentes (ANMR) nos 24 esatdos e Distrito Federal, onde atua, a partir das 7h desta terça-feira (17), segundo a assessoria de imprensa da entidade. Informam ainda que a greve acontece por tempo indeterminado.

O ex-presidente da Ameresp, João Paulo Cechinel Souza, informa que os residentes correspondem a quase 70% dos médicos do Sistema Único de Saúde (SUS).

Pauta justa

Segundo Pedro Tourinho, de fato a mobilização dos residentes já está em andamento pelo Brasil afora. Pedro considera ainda que e a pauta de reivindicações é justa: "constitui-se na revisão da bolsa de residência, na extensão da licença maternidade, no estabelecimento de database anual para revisão de bolsa e na 13 bolsa", explica o médico, que completa: "a partir daí, mesmo reconhecendo que o momento não era o mais oportuno para fazer a greve, a Ameresp entendeu que deveria apoiar e fortalecer este movimento, tentando garantir ao máximo possível a conquista das reivindicações históricas do movimento dos médicos residentes. Esperamos assim fortalecer o movimento dos médicos residentes e qualificar os debates e discussões que vêm sendo travados". 

A Ameresp, que participa das negociações estaduais e nacionais, já tendo feito contato com os Ministérios da Educação e da Saúde (MEC e MS), convocou, por ora, apenas uma paralisação de um dia, com assembleia de médicos residentes marcada para ocorrer nesta quinta-feira (19), a partir das 10h, no vão do Museu de Arte de São Paulo (MASP).

Embora a ANMR tenha informado que instituições do Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Paraíba, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe, Rondônia e Roraima tenham aderido ao movimento, a Ameresp critica a diretoria da entidade nacional e afirma que as entidades estaduais não foram chamadas a construir o movimento.

Proposta do Ministério da Saúde

Em nota divulgada na segunda-feira (16), o Ministério da Saúde informou que ofereceu aumento de 20% na bolsa mensal a partir do Orçamento de 2011. A proposta só foi possível por meio do remanejamento de recursos de outros projetos dos órgãos financiadores.O texto também anuncia a criação de um grupo de trabalho para analisar as reivindicações dos médicos residentes. “Em negociação com os médicos residentes desde março de 2010, o Governo Federal está analisando outras reivindicações do grupo, como a ampliação do período de licença-maternidade de quatro para seis meses e o estabelecimento da licença-paternidade de cinco dias para médicos residentes”, afirmou o Ministério da Saúde, em nota.

A ANMR afirmou que a proposta seria analisada nesta quarta-feira (18), em reunião da Comissão Nacional de Greve, que conta com representantes dos estados que aderiram à paralisação. Ainda assim, a proposta de reajuste do Ministério da Saúde foi considerada insuficiente, segundo a assessoria de imprensa da Associação.

Posição da Ameresp

Em sua página, a Ameresp publicou, a respeito da greve: 

"A nova diretoria da AMERESP assumiu enfrentando um momento político importante, já que há um movimento nacional de greve dos residentes. A respeito deste tema, gostaríamos de deixar claro o posicionamento dos médicos residentes do Estado de São Paulo, deliberado no COMERESP:

– APOIAMOS INTEGRALMENTE A PAUTA DE REINVIDICAÇÕES DEFENDIDA PELO MOVIMENTO NACIONAL, porque consistem das mesmas reinvidicações que vimos construindo há meses;

– INDICAMOS A PARALISAÇÃO DOS MÉDICOS RESIDENTES NO DIA 19/08/2010, dia em que ocorrerão assembléias de médicos residentes por todo o estado e um grande ato público a ser realizado no vão livre do MASP, a partir das 10h.

– REPUDIAMOS A POSTURA DO COMANDO NACIONAL DE GREVE, que até o momento vem simplesmente excluindo a representação oficial dos médicos residentes do Estado de São Paulo das negociações. Entendemos que tal postura não se justifica nem soma para o sucesso do movimento nacional, mesmo porque o nosso Estado representa cerca da metade dos médicos residentes do Brasil.

– EXIGIMOS A INCLUSÃO IMEDIATA DA AMERESP NO COMANDO NACIONAL DE GREVE E NA MESA DE NEGOCIAÇÕES.A nova diretoria da AMERESP conclama os médicos residentes do Estado a aderir ao movimento, e se compromete em fazer todo o possível para que nós possamos não apenas participar, mas sermos PROTAGONISTAS no processo de negociações e na construção da unidade do movimento nacional dos residentes. Porque unidos, somos mais fortes!

Paulo Navarro de Moraes
Presidente da AMERESP – Gestão 2010/2011"


Por Luana Bonone, diretora de Comunicação da ANPG

Author

Write A Comment