O CNPq vem buscando aperfeiçoar essa ferramenta, que já é conhecida por todos os pesquisadores brasileiros e se tornou um patrimônio da comunidade científica.

 

Os últimos avanços estão sendo incorporados a essa nova versão, que inclui a possibilidade de consulta às citações dos artigos publicados em revistas indexadas no Web of Science e que estejam registradas nos currículos com o DOI (Digital Object Identifier) correspondente.

 

Para que isso fosse possível um acordo com a empresa Thomson Reuters, administradora do Instituto para a Informação Científica (ISI), foi firmado há dois meses pela diretoria do CNPq. A base Web of Science é a mais relevante do mundo, cobrindo mais de 10 mil periódicos científicos desde 1954.

 

Também foi firmado acordo com o Scielo, uma base com mais de 230 mil artigos registrados, que permitirá a recuperação das citações dos artigos registrados no Lattes. A base Scielo conta, atualmente, com mais de 600 periódicos científicos cadastrados.

 

Certificação

 

Outra novidade é o acordo com a Receita Federal que permite a certificação dos dados da pessoa que se registra na base Lattes e deve impedir a introdução de currículos fantasmas. Além de conferir os dados no momento em que o currículo é criado, o CNPq já está fazendo uma varredura dos currículos já depositados na base Lattes para depurar os dados. O processo está se iniciando pelo segmento dos doutores.

 

Para o professor Roberto Passetto Falcão, presidente da Comissão de Acompanhamento do Sistema de Currículos da Plataforma Lattes, a incorporação dos dados do ISI ao CVLattes acrescentará informações extremamente importantes para os usuários da Plataforma Lattes e para a comunidade científica.

 

"A qualidade de um trabalho científico é avaliado indiretamente pelo periódico onde ele é publicado e pelo número de citações do artigo por outros cientistas que atuam na área do conhecimento do trabalho publicado. Este acordo com o ISI permitirá que estes aspectos estejam disponíveis quando se analisa o CV Lattes", disse ele.

 

Da mesma forma pensa o professor Antonio Martins Figueiredo Neto, membro da Comissão: "os acordos firmados aprimoram o CV Lattes de maneira profunda, dando tanto maior credibilidade quanto novos instrumentos de análise da produção científica ao usuário".

 

Figueiredo acredita que fraudes serão praticamente impossíveis com o novo sistema de certificação e só aumentará a credibilidade da ferramenta. "Além disso, o CV Lattes passará a ter uma inserção internacional quando parcela significativa dos currículos estiver disponível em inglês. Esse trabalho vai auxiliar as entidades de fomento e governamentais do exterior a ter uma visão mais realista da comunidade científica brasileira", finalizou.

 

O coordenador geral de Informática do CNPq e também membro da Comissão de Acompanhamento do Lattes, Geraldo Sorte, informou que outra funcionalidade interessante é a Rede de Colaboração, em que será possível visualizar graficamente a rede de coautores de um pesquisador que tenham também o Currículo Lattes. "Esta rede é composta pelos outros pesquisadores que trabalharam em conjunto com o pesquisador em questão em coautoria de artigos científicos", esclareceu.

 

Sorte disse que outras modificações deverão ocorrer nos próximos meses no currículo, tais como acréscimos de campos e do módulo "Patentes e Registros", alterações no layout e de navegabilidade, implementos de apoio ao usuário e alterações de ordem técnica, bem como detalhamento e validação de dados para maior segurança.

 

Criada em 1999, o CVLattes contém, atualmente, mais de 1,5 milhão de currículos. Desse total, 120 mil, ou 8%, são currículos de pessoas com doutorado. Estão disponíveis informações relativas à educação formal, experiência profissional, áreas de pesquisa, projetos e linhas de pesquisa, artigos em periódicos, livros e capítulos publicados, produtos e patentes, produções artísticas e culturais, entre outras.

 

As informações do Currículo Lattes têm sido utilizadas por todas as agências de fomento, universidades e institutos e centros de pesquisas do Brasil para avaliar as propostas de financiamento para projetos de pesquisa. O banco de dados também é utilizado por estudantes para selecionar orientadores, assim como as instituições também a consultam para contratar consultores científicos ou assessores.

(Fonte: Jornal da Ciência e Informações da Assessoria de Comunicação do CNPq)

 

Author

Write A Comment