No último dia 23 de janeiro de 2010 a Associação Nacional de Pós-Graduandos realizou sua primeira reunião de diretoria do ano. A reunião – ampliada, como de praxe – contou com a presença de diversos pós-graduandos e APGs, dentre as quais Educação-UNICAMP, Unimontes-MG, UFV, UNIFESP, UFSC, CENA-USP, além da Associação dos Médicos Residentes do Estado de São Paulo.

 

A reunião aconteceu na sede das entidades estudantis, em São Paulo, e foi marcada pelos debates sobre a conjuntura nacional e internacional e os desafios da ANPG para o próximo ano.

 

Dentre os desafios de maior destaque está a realização do XXII Congresso de Pós-Graduandos. O Congresso, previsto para os dias 25 e 28 de março/2010 na UFRJ, Rio de Janeiro, terá como tema os direitos dos pós-graduandos, como forma de manutenção deste grande debate que norteou a presente gestão.

 

A ANPG convoca seu congresso e já estimula todas as delegações do Brasil e APGs a construírem o nome e a programação do congresso.

 

As sugestões devem ser enviadas para o e-mail: [email protected]

 

Além disso, também foi aprovada:

 

  • A ativa participação da ANPG na Campanha “50% do Pré-sal para Educação”;

 

  • A organização da ANPG nos debates da 4ª Conferência Nacional de C&T com foco especial na formação de recursos humanos e na promoção das pautas dos pós-graduandos para a Ciência e Tecnologia. Para isso realizaremos um grande ciclo de debates nas cinco regiões do Brasil com indicativo de acontecer nas seguintes cidades: Centro-Oeste: Goiânia; Nordeste: Recife; Norte: Belém; Sudeste: Belo Horizonte; Sul: Porto Alegre.

 

  • A construção de uma “Carta dos Diretos Humanos” tendo como centro a “Comissão da Verdade”, garantindo a apuração dos crimes cometidos na ditadura militar.

 

 Os pós-graduandos presentes também avaliaram positivamente a realização do I Salão Nacional de Divulgação Científica e da  Caravana dos Pós-Graduandos pela aprovação do PL 2315/03. Contudo, destacou-se a necessidade de avançar na aprovação da regulamentação das bolsas e nos direitos dos pós-graduandos através da construção de uma Comissão Mista – contendo Ministério da Educação, Capes e ANPG, para debater o PL dos Pós-Graduandos.

 

Para acelerar sua aprovação, mesmo que sob forma de Medida Provisória, a diretoria da ANPG sinalizou a realização de uma nova ida à Brasília, para cobrar a instalação da Comissão e aproveitar todo o legado da I Caravana.

 

Os pós-graduandos também debateram com intensidade a situação do Haiti e escreveram uma carta sobre a situação do país (que segue abaixo).  

 

Na discussão foi destacada a exploração imperialista que sempre se deu na região e o principal problema deste momento: a fome que assola o país e a incerteza acerca do futuro daquela nação.

 

Foi também apresentada uma grande preocupação com o número de tropas americanas que estão desembarcando no país – algo em torno de 16 mil soldados. Não obstante, o Haiti ainda sofre com os séculos de exploração que tem sido vítima, fazendo com que suas riquezas sirvam para o desenvolvimento e os interesses de outras nações.

 

Assim, os participantes da reunião aprovaram resolução apontando para o fim da dívida externa do Haiti, para que seu povo tenha chance de superar esse difícil momento.

 

Foi abordada também a necessidade de que, tão logo seja possível, pós-graduandos do Brasil possam ir ao país auxiliar na reconstrução da sua infra-estrutura.

 

Assim, a ANPG incentiva que todos aqueles que puderem, mandem ajuda pelas suas universidades e postos de recolhimento do governo.

 

Leia abaixo a carta dos Pós-Graduandos sobre a situação no Haiti:

 

Carta dos Pós-Graduandos brasileiros sobre a tragédia do Haiti

 

A Associação Nacional de Pós-Graduandos se solidariza com o povo do Haiti, que sofreu um duro golpe com o terremoto do dia 12 de janeiro de 2010.

 

Entretanto, esta tragédia trouxe a tona o sofrimento pelo qual passam essas pessoas, por conta de séculos de exploração e intervenções imperialistas que fizeram do país o mais pobre das Américas.

 

A economia, baseada em produtos primários e de baixo valor agregado, está em ruínas desde a desocupação francesa nos anos 1800, fazendo com que mais de 40% da população seja analfabeta e a expectativa de vida esteja na casa dos 60 anos.

 

O primeiro país latino-americano a se tornar independente pela força dos afro-descendentes passa por um momento de grande dificuldade, e seu povo vive em condições de miséria profunda há muito tempo. E é lamentável que o mundo só abra os olhos para este grande problema em um momento de grande comoção.

 

Contudo, não é possível ficarmos alheios aos desdobramentos que esta tragédia tem trazido. Os Estados Unidos, como parte de sua política imperialista, enviou um contingente de 16 mil soldados ao país e tem impedido a entrada de helicópteros e aviões com comida, médicos e equipamentos.

 

Além disso, têm tomado posições estratégicas como os portos e aeroportos. Isto pode ser o início de mais uma base militar dos yankees em território alheio, tal como tem sido feito na Colômbia.

 

É preciso que fiquemos atentos! O Haiti precisa, neste momento de médicos, enfermeiros e trabalhadores da área da saúde, para poder cuidar de seus feridos. Outrossim, precisa de alimentos e água. Mas fazer disso um momento para se aproveitar da fragilidade de um povo não pode ser aceito por nós.

 

Os pós-graduandos conclamam para que a dívida externa do Haiti seja extinta, para que tudo isso possa ser superado e que, num futuro não muito distante, as riquezas do país possam servir para seu desenvolvimento e melhoria de vida do seu povo.

 

A única universidade está em ruínas, as escolas em escombros e o povo sem um lugar para morar. Tão logo seja possível, convocamos os pós-graduandos das áreas de infra-estrutura, possam ir ao país auxiliar na sua reconstrução.

 

Manifestamos aqui nosso sincero apoio a este povo que tem que vencer mais esse grande golpe. Contudo, esperamos que em breve o Haiti possa ser um lugar digno e democraticamente comandado pelos seus.

 

São Paulo, 23 de janeiro de 2010

Diretoria da ANPG

 

Author

Write A Comment