A Associação Nacional de Pós-Graduandos repudia veementemente mais uma ação do governo Bolsonaro em depreciar a atividade de pesquisa no país. Fruto de uma política de austeridade fiscal sem projeto de desenvolvimento nacional, o Ministro da Economia publica na portaria 424, de 21 de agosto de 2019, a redução de no mínimo 25% das bolsas de estudos e auxilio para estudo e pesquisa vinculadas ao ministério, suas autarquias e fundações vinculadas. Embora a portaria não deixe claro se se refere aos valores ou quantidades, esse cenário atinge, entre outras, as bolsas de pós-graduação vinculadas a Instituição como Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), instituições fundamentais para o conhecimento da economia e sociedade brasileira.

A ANPG repudia qualquer medida que desvalorize o pesquisador brasileiro e deprecie as já desvalorizadas bolsas de estudos, sem reajuste desde 2013.

Nesse sentido, é urgente a reversão dessa medida austera pelo Governo Federal que atinge em cheio não apenas o futuro da ciência e do Brasil, mas retira todas as garantias de sobrevivência e permanência do pós-graduando na realização de suas obrigações acadêmicas em um cotidiano de formação profissional continuada em que já temos que responder a falta de condições de estudo e bolsa com valor defasado. Além disso, essa medida não pode significar posteriores cortes nos valores da bolsas vinculados a outros ministérios, como as das agências de fomento da pós-graduação CAPES e CNPq. É preciso diariamente reafirmamos a luta pela valorização das bolsas, da pesquisa e da educação no país. Por isso, a ANPG convoca a todos os brasileiros a se juntarem ao movimento estudantil e educacional no próximo dia 07 de setembro. No dia que comemoramos a independência do Brasil, também será um dia de resistência e de luta pelo Brasil e pelos brasileiros!

Escreva um Comentário