Alguns temas em pauta são: royalties do petróleo para a educação, comissão da verdade da UNE, ensino público e privado, maioridade penal e democratização da mídia
 
A 53ª edição do Congresso da UNE (Conune) – encontro mais importante do movimento estudantil – ocorrerá entre 29 de maio e 2 de junho.  A entidade estima que receberá cerca de 10 mil estudantes para eleger a nova diretoria da UNE, incluindo o presidente, e discutir seus  próximos rumos e posicionamentos na capital de Goiás.  A Associação Nacional de Pós-Graduandos é parceira da União Nacional dos Estudantes e apoia suas causas – sobretudo, na defesa por mais verbas para a educação pública e ampliação do acesso ao sistema universitário. 
 
De acordo com a união, durante os cinco dias, os delegados e observadores terão a oportunidade de debater e trocar opiniões sobre os rumos do país, avaliar as políticas públicas, a ação dos movimentos sociais, os avanços na área da educação, esporte, meio ambiente, direitos humanos e outros assuntos importantes do universo da juventude. O congresso assumirá forma de celebração da diversidade entre estudantes de diversas regiões, com atividades culturais, shows, intervenções artísticas, trocas e vivências diárias. As atividades do encontro serão concentradas em torno da tradicional Praça Universitária da capital goiana, na Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO) e na Universidade Federal de Goiás (UFG). 
Paralelamente ao congresso, haverá o 3º Encontro Nacional de Estudantes Cotistas e Prounistas, que deve contar com a presença da presidenta Dilma Rouseff e do ministro da Educação Aloizio Mercadante para discutir críticas e pontos positivos das políticas de acesso à educação.  
 
A programação também incluirá a apresentação do primeiro relatório de trabalho da Comissão da Verdade da UNE, que está investigando o caso do ex-presidente da entidade, o goiano Honestino Guimarães. Sua família receberá um novo atesto de óbito, reconhecendo a responsabilidade do Estado brasileiro por seu desaparecimento, tortura e morte.
Outra discussão proposta pelos estudantes enfatizará uma das grandes bandeiras levantadas pela UNE, “o papel do petróleo no desenvolvimento socioeconômico do país”.  A urgência da democratização da mídia, a educação como mercadoria no ensino privado, a questão da segurança pública e da maioridade penal, juntamente com o debate sobre a expansão e qualidade de ensino nas universidades federais também conduzirão as discussões. 
 
Nos dias do evento, a taxa de inscrição custará R$ 125, que incluirá alojamento, transporte em Goiânia e alimentação durante os dias do evento. Para saber mais, acesse a programação do congresso.
 
Author

Write A Comment