Author

anpg

Browsing

>>Abaixo você acompanha os processos de eleição dos delegados. As demais informações sobre o 24º Congresso Nacional de Pós-Graduandos estão reunidas AQUI!

Acompanhe as eleições em curso para o XXIV CNPG:
ATUALIZADO EM 11/04/2014

HORÁRIO: 18:00h

Inscrever novos Processos Eleitorais

Regimento Geral

Regimento da Mostra Científica

ATA PADRÃO PARA ELEIÇÃO DE DELEGADOS

MODELO DE EDITAL – APG – CHAPA – EM URNA

MODELO DE EDITAL – C10 – CHAPA – EM URNA

MODELO DE EDITAL – APG – INDIVIDUAL – ASSEMBLEIA

Processos em Curso 

  UF   MUNICÍPIO   IES   Inscrição   Eleição   Local da Urna   Contato   Edital
1 GO Goiânia SENAC 01/04/2014 11/04/2014 Sala 109 – Subsolo [email protected] Edital
2 MG Ouro Preto UFOP 07/04/2014 09/04/2014 Auditório do DEGEO às 19h. [email protected] Edital
3 RS Porto Alegre UFRGS 09 e 10/04/2014 15 e 16/04/2014 Eleições virtuais [email protected] Edital
4 BA Salvador UFBA 31/03/2014 08 e 09/04/2014 Encontro de Pós Graduandos [email protected] Edital
5 SP Santo André UFABC 13/04/2014 16/04/2014 Sala 402B – Bloco B [email protected] Edital
6 MG Lavras UFLA 07/04/2014 09/04/2014 Secretaria APG e cantina Central da UFLA [email protected] Edital Retificado
7 SE São Cristóvão UFS 07/04/2014 16/04/2014 Auditório do Departamento de Farmácia do Campus São Cristóvão [email protected] Edital Retificado
8 SP Rio Claro UNESP 09/04/2014 10/04/2014 Auditório [email protected] Edital
9 RJ Rio de Janeiro PUC 27/03/2014 02/04/2014 Sede da apg [email protected] Edital
10 MG Viçosa UFV 11/04/2014 16/04/2014 Sala 361 Pav. Aulas 1 [email protected] Edital
11 SP São Paulo PUC 01/04/2014 09/04/2014 Sede da APG [email protected] Edital
12 SP São Paulo UNIFESP 03/04/2014 10 e 11/04 Sede da APG [email protected] Edital
13 MT Cuiabá UFMT 31/03/2014 10/04/2014 Rodoviária, Instituto de Ciências Exatas e da Terra – ICET. [email protected] Edital
14 SP São Carlos UFSCar 28/03/2014 03/04/2014 Restaurante Universitário [email protected] Edital
15 PE Vitória de Santo Antão FAINTIVISA 29/03/2014 12/04/2014 Sala A1 (Bloco A) [email protected] Edital
16 SP São Paulo Inst. Infectologia Emílio Ribas 10/04/2014 15/04/2014 Hall de Entrada [email protected] Edital
17 SC Florianópolis UNISUL 04/04/2014 14 e 15/04/2014 Campus Trajano, 11º andar e sede do DCE no Campus Pedra Branca [email protected] Edital
18 PE Vitória de Santo Antão FACOL 27/03/2014 08/04/2014 Sala 01 [email protected] Edital Retificado
19 AC Rio Branco UFAC 25 a 28/03 28/03/2014 Centro de Convivência [email protected] Edital
20 SP Sorocaba e outras UNESP 25/03 a 08/04/2014 10/04/2014 UNESP SOROCABA [email protected] Edital
21 AM Manaus FIOCRUZ-AM 31/03/2014 08/04/2014 Entrada do Campus [email protected] Edital
22 PE Recife FUNDAJ 31/03/2014 08/04/2014 Sala do MPCS [email protected] Edital
23 PE Recife IDOT 05/04/2014 12/04/2014 Entrada do Campus [email protected] Edital
24 PE Recife Nova Roma 05/04/2014 12/04/2014 Entrada do Campus [email protected] Edital
25 PE Recife UFRPE 07/04/2014 10/04/2014 Sala de Seminários – Depto. Educação [email protected] Edital
26 PE Recife UFPE 04/04/2014 15/04/2014 Auditório da Associação dos Docentes da UFPE (ADUFEPE) [email protected] Edital Retificado
27 RJ Rio de Janeiro UFRJ 03/04/2014 08/04/2014 12h – Pilotis/Fundão e 18h Praia Vermelha [email protected] Edital
28 AP Macapá FACINTER 31/03/2014 02/04/2014 Polo Macapá [email protected] Edital
29 GO Goiânia UFG 09 e 10/04 15/04/2014 Entre o ICB e o IQ e 1 urna móvel [email protected] Edital
30 RJ Rio de Janeiro FIOCRUZ até 11/04/2014 15 e 16/04/2014 15/04 – IFF – 16h / 16/04 – ICICTS – 10h / 16/04 ENSP – 16h [email protected] Edital Retificado
31 GO Goiânia IPOG 01/04/2014 18/04/2014 [email protected] Edital
32 PA Belém UFPA 07/04/2014 11/04/2014 Biblioteca Central [email protected] Edital
33 RJ Rio de Janeiro IUEPERJ 07/04/2014 11/04/2014 Biblioteca Central [email protected] Edital
34 MG Montes Claros ISEIB 07/04/2014 11/04/2014 Pátio Central [email protected] Edital
35 MG Montes Claros ISEIB/Psic. Clínica 07/04/2014 11/04/2014 Pátio Central [email protected] Edital
36 MG Montes Claros Unimontes 07/04/2014 11/04/2014 Sala 208 – Prédio 6 [email protected] Edital
37 MG Montes Claros Unimontes/Des.Soc. 07/04/2014 11/04/2014 Hall Prédio 1 [email protected] Edital
38 MG Januária INCISOH 07/04/2014 12/04/2014 Pátio do Xerox [email protected] Edital
39 MG Januária UNOPAR 07/04/2014 12/04/2014 Cantina [email protected] Edital
40 MG Januária UCAM 07/04/2014 12/04/2014 Auditório UNIMONTES [email protected] Edital
41 MG Januária Pró-MINAS 07/04/2014 12/04/2014 Auditório UNIMONTES [email protected] Edital
42 MG Januária IFNMG 07/04/2014 12/04/2014 Prédio do Ensino Superior [email protected] Edital
43 BA Ilhéus UESC 04/04/2014 10 e 11/04/2014 Pavilhão Max de Menezes [email protected] Edital
44 DF Brasília UNB 09/04/2014 17/04/2014 ICC Centro [email protected] Edital Retificado
45 MS Paranaíba UEMS 08/04/2014 14/04/2014 [email protected] Edital
46 MG Uberlândia UFU 10/04/2014 16/04/2014 Eleições Virtuais [email protected] Edital
47 MG Belo Horizonte UFMG 04/04/2014 10 e 11/04/2014 Praça de Serviços da UFMG [email protected] Edital
48 RJ Niterói UFF 14/04/2014 16/04/2014 Campus Gragoatá, Bloco N [email protected] Edital
49 MG Belo Horizonte CEFET 07/04/2014 09/04/2014 Eleições Virtuais [email protected] Edital
50 CE Fortaleza Centro Universitário Estácio do Ceará – FIC 03/04/2014 05/04/2014 Campus Via Corpvs – Bloco A e Bloco E [email protected] Edital
51 SP São Paulo USP 07 a 09/04/2014 14 a 17/04/2014 Eleição virtual – heliosvoting.org [email protected] Edital
52 BA Itabuna Faculdade de Tecnologia e Ciências até 06/04/2014 10 e 11/04/2014 Urna móvel [email protected] Edital
53 BA Santo Antonio de Jesus Centro Universitário Barão de Mauá até  06/04/2014 10 e 11/04/2014 Urna móvel [email protected] Edital
54 PR Curitiba UniCesumar até 16/04/2014 18/04/2014 Eleição virtual – ambiente AVA [email protected] Edital
55 CE Fortaleza UECE 07 e 08/04/2014 11/04/2014 Sala 04 – Dep. De Filosofia [email protected] Edital
56 TO Palmas UFT 09/04/2014 15/04/2014 Bloco 1 e Urna Móvel [email protected] Edital
57 PE Recife Faculdade Guararapes até 09/04/2014 12/04/2014 Sala 259 – Bloco A [email protected] Edital
58 PE Recife UNICAP 09/04/2014 12/04/2014 Sala 608 [email protected] Edital
59  SC Florianópolis  UFSC  15/04/2014  17/04/2014  Auditório do Centro Sócio-Econômico – CSE  [email protected]  Edital 
60 RS Rio Grande FURG até 09/04/2014 11/04/2014 Sede da APG-FURG [email protected] Edital
61 CE Fortaleza UFC até 09/04/2014 11/04/2014 Casa Amarela [email protected] Edital
62 SP Marília UNIVEM até 08/04/2014 10/04/2014 UNIVEM [email protected] Edital
63 MG Montes Claros Unimontes/Saúde 09/04/2014 11/04/2014 Sala 208 do CCBS [email protected] Edital
64 MG Belo Horizonte PUC-MG 10/04/2014 14/04/2014 Sala 306, do Programa de Pós-Graduação em Letras [email protected] Edital
65 GO Goiânia PUC-GO 15/04/2014 17/04/2014 Área II, Subsolo, Centro Acadêmico de Letras [email protected] Edital
66 SP Marília UNIMAR até 10/04/2014 11/04/2014 UNIMAR – Bloco II [email protected] Edital
67 PE Recife UPE 09/04/2014 14/04/2014 Sala 9 no Departamento de Educação Física [email protected] Edital
68 PE Olinda FACOTTUR 15/04/2014 18/04/2014 Auditório da Instituição [email protected] Edital
69 PR Curitiba UFPR 15/04/2014 17/04/2014 A ser divulgado com 48h de antecedência [email protected] Edital
70 SP São Paulo UNINOVE 10/04/2014 17/04/2014 Sala 901, Bloco D [email protected] Edital
71 PR Curitiba UNICURITIBA 09/04/2014 11/04/2014 Secretaria do Mestrado em Direito [email protected] Edital
72 RN Mossoró UFERSA 10 a 11/04/2014 14 a 15/04/2014 LASAP(Prédio de solos) e prédio de pesquisa e pós-graduação [email protected] Edital 
73 ES Vitória UFES 09 – 14/04/2014 17/04/2014 Sala 103 do ED-V – Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas [email protected] Edital
74 MG Juiz de Fora UFJF até 14/04/2014 16/04/2014 Cantina do Instituto de Ciências Humanas [email protected] Edital

 

75 MG Januária  UNIMONTES/ Atenção básica a saúde da família até 14/04/2014 16/04/2014 UNIMONTES de Januária ( 3º andar) [email protected] Edital
76 PE Igarassu FATIN 15/04/2014 18/04/2014 Auditório da sede provisória da instituição [email protected] Edital
77 PR Jacarezinho UEPG 14/04/2014 17/04/2014 Posto da UEPG em Jacarezinho [email protected] Edital
78 PI Teresina CFAPi 10/04/2014 12/04/2014 Em frente à biblioteca [email protected] Edital
79 RJ Rio de Janeiro UFRRJ até 14/04/2014 16/04/2014 PPG, Sala 1, Campus Seropédica [email protected] Edital
80 MG Abrangência Nacional UFMG/PRODEP até 15/04/2014 17 e 18/04/2014 Eleição Virtual [email protected] Edital
81 SP São Paulo Mackenzie até 14/04/2014 16/04/2014 Em frente ao prédio João Calvino [email protected] Edital
82 SC Chapecó UCEFF 12/04/2014 18/04/2014 Entrada do campus [email protected] Edital 
83 SC Joaçaba UNOESC 12/04/2014 18/04/2014 Bar Box 1 – Próximo a reitoria Campus Joaçaba [email protected] Edital
84 SC Chapecó UNOCHAPECÓ 12/04/2014 19/04/2014 Entrada do campus Chapecó [email protected] Edital
85 CE Fortaleza UNIFOR 09/04/2014 11/04/2014 Sala da coordenação do Mestrado em Saúde Coletiva, o Bloco S [email protected] Edital
86 MG Montes Claros FASI – docência do ensino superior até 17/04/2014 19/04/2014 Hall Central [email protected] Edital
87 RJ Rio de Janeiro FGV – Barra 12/04/2014 16/04/2014 Entrada da Unidade Barra [email protected] Edital
88 MG Divisa Alegre Faculdade de Ensino Claretiano/Segurança Pública e Cidadania até 17/04/2014 19/04/2014 Sala 102 (Campus Divisa Alegre) (3º andar) [email protected] Edital
89 MG Sete Lagoas FASA/Atendimento Educacional Especializado até 17/04/2014 19/04/2014 Na faculdade Santo Agostinho [email protected] Edital
90 MG Montes Claros UNIMONTES/linguística aplicada ao ensino até 17/04/2014 19/04/2014 Em frente da secretaria [email protected] Edital
91 SC Florianópolis IFSC 12/04/2014 19/04/2014 Entrada do campus Florianópolis [email protected] Edital
92 MT Campo Grande Anhanguera/Advocacia Trabalhista até 16/04/2014 18/04/2014 Eleição Virtual [email protected] Edital
93 PR Maringá UEM 13/04/2014 15/04/2014 Diretório Central dos Estudantes (Bloco 06) [email protected] Edital
94 SP Campinas UNICAMP 04 a 16/04/2014 24 e 25/04/2014 Urna móvel e Faculdade de Ciências Médicas [email protected] Edital
95 AP Macapá SENAC 14/04/2014 17/04/2014 Fórum “eleição” do Ambiente Virtual [email protected] Edital
96 AP Macapá IESAP 14/04/2014 17/04/2014 Sala 2 do IESAP [email protected] Edital
97 AP Macapá UNIFAP 14/04/2014 17/04/2014 Bloco M [email protected] Edital
98 AP Macapá UEAP 14/04/2014 17/04/2014 Auditório da Reitoria – Campus I [email protected] Edital
99 AP Macapá APOENA 14/04/2014 17/04/2014 Sala 2 [email protected] Edital
100 RJ Rio de Janeiro UERJ 15/04/2014 17/04/2014 Entrada da UERJ [email protected] Edital

 

A lógica produtivista e a avaliação quantitativa na pós-graduação em saúde: um olhar sobre os efeitos danosos na formação profissional

 

Artigo com contribuições ao debate da formação na pós-graduação em saúde, publicado nos Cadernos de Saúde Pública (ENSP/Fiocruz).
 
Por David Soeiro Barbosa
 
Camargo Jr. 1 é muito feliz em colocar este debate em pauta, que já se fazia de forma ocasional entre os mais distintos espaços de produção acadêmica de saúde coletiva do país. Digo isso, pois é evidente um descontentamento de muitos pesquisadores com as metodologias atuais de avaliação da produção científica e dos programas de pós-graduação, porém, apesar dos avanços e (re)adequação de indicadores ainda são tímidos o contraponto e a busca de estratégias de fato inovadoras neste processo. As alternativas que são apresentadas não ecoam ou ganham forma, pois evidentemente existem justificativas para cada indicador adotado nas avaliações, que apesar de restritos aos indicadores bibliométricos, são discutidos e propostos por nossos mais distintos pares inseridos no universo da produção intelectual em saúde coletiva. Não há que se desconsiderar o bom e árduo trabalho desses atores no processo.
 
É importante destacar o que foi pontuado por Souza 2 (p. 1718): “a comunidade científica tem tido a possibilidade de definir ela própria os mecanismos de avaliação a que se aceita a ser submetida, ainda que não possa simplesmente se recusar a se autoavaliar“. Luz 3 destaca os efeitos danosos que a política de avaliação quantitativa pode gerar, na qual inclui a competitividade entre indivíduos e instituições, além de ser um dificultador para uma produção mais criativa e inovadora.
 
Revisitar o processo de avaliação dos pesquisadores e dos cursos deveria permitir repensar do processo de identificação de fragilidades da produção intelectual em saúde coletiva, da avaliação dos cursos e dos pesquisadores deste campo. Nesse sentido, acredito que a proposta de Camargo Jr. 1 de se posicionar a favor de uma ruptura com o ranqueamento que considera somente indicadores quantitativos de produção é bastante válida, trazendo à tona o debate quantitativo versus o qualitativo na avaliação, com uma tendência que a academia tem em dicotomizar estas diferentes abordagens tal qual no método da pesquisa científica, superado no fato de que podem ser complementares nos mais diferentes contextos. Uma “falsa polêmica” posteriormente retratada pelo autor 4. Como colocado por Struchiner 5 (p. 1717): “… não podemos abrir mão de nenhuma fonte de informação. Se utilizadas separadamente, essas avaliações serão ilusórias“.
 
Essa lógica produtivista também cerceia e enfraquece o debate do campo da saúde coletiva no momento da formação na pós-graduação, quando não é mais prioridade situar e problematizar as diferentes áreas e o campo de atuação do profissional de saúde coletiva no seu momento de formação. Nosso debate de sociedade e dimensão política das necessidades de saúde enfraquece junto com a fragmentação e compartimentalização das áreas, onde pesquisar o detalhe, o específico é prioritário e considerado suficiente. Como investigar as árvores sem perder de vista a floresta (que em alguns contextos, está em chamas)? Como preparar um indivíduo comprometido com as necessidades da sociedade brasileira e do SUS a fazer as perguntas que devem ser respondidas?
 
Da mesma forma, é escasso o incentivo para o “pensar pedagógico” na formação de mestres e doutores. A formação de docentes/educadores encontra-se fragilizada por esse contexto que não contribui para a politização e visão crítica sobre o ato de educar. Assim é necessário revisitarmos a Lei de Diretrizes e Bases da educação nacional 6 que trata, em seu Art. 66, do tema: “a preparação para o exercício do magistério superior far-se-á em nível de pós-graduação, prioritariamente em programas de mestrado e doutorado“. Tal fato não tem ocorrido de forma consistente e ampliada, assim reproduzimos a lógica do “ensinando se aprende”, porém sem teorizar criticamente este processo, gerando um ciclo vicioso em que a prática e a leitura de bases pedagógicas não são importantes.
 
Por fim, parabenizo a disponibilidade para análise crítica tão pertinente de todos os nossos mestres que contribuíram neste debate, resultado de um amadurecimento científico nos últimos anos do campo em relação ao tema, e que demonstra a permeabilidade/mobilidade do movimento de saúde coletiva que continua vivo e disposto ao debate. Aproveito ainda para fazer uma chamada aos pós-graduandos para um envolvimento maior nos processos e espaços decisórios sobre os rumos da pós-graduação em saúde. Certamente ampliaremos a sensibilidade e incorporaremos novos olhares no debate, contribuindo para a valorização de indicadores de excelência educacional junto aos de pesquisa, nas múltiplas facetas que incorrem nos processos avaliativos neste campo de saberes em nosso país.
 
Agradecimentos
 
Agradeço à Associação Nacional de Pós-graduandos (ANPG) e as contribuições de Adriana Aguiar, Mauro Marzochi, Lúcia Guerra, Mariana Bertol Leal e Pedro Felipe Santos.
1. Camargo Jr. KR. Produção científica: avaliação da qualidade ou ficção contábil? Cad Saúde Pública 2013;29:1707-11.         [ Links ]
2. Souza LEPF. O desafio da avaliação da produção científica. Cad Saúde Pública 2013;29:1717-9.         [ Links ]
3. Luz MT. Prometeu acorrentado: análise sociológica da categoria produtividade e as condições atuais da vida acadêmica. Physis (Rio J.) 2005;15:39-57. [ Links ]
4. Camargo Jr. KR. Sigamos em frente? Cad Saúde Pública 2013;29:1727-30. [ Links ]
5. Struchiner CJ. Avaliação da qualidade da produção científica e suas consequências imprevistas e indesejadas: um conceito autoevidente? Cad Saúde Pública 2013;29:1716-7. [ Links ]
6. Brasil. Lei no 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União 1996; 23 dez. [ Links ]
 
 

 

Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da ANPG e são de total responsabilidade dos autores.

Por Vanderlan da S. Bolzani*
 
(artigo originalmente publicado no jornal O Estado de S. Paulo em 12/02/2014)
 
Este ano, a Lei de Inovação Tecnológica completa 10 anos, e uma celebração nacional deveria apontar para uma reflexão sobre o que representou neste tempo para a melhoria das relações universidade/institutos de pesquisa/empresas.Os BRICs, nome dado pelo economista britânico Jim O’Neill em 2001 para as economias emergentes como Brasil, Rússia, Índia, China e da África do Sul, incorporada em 2010, são um bom exemplo da velocidade que as economias globais estão ditando as tendências deste século. Elas são tão voláteis que, com a crise econômica mundial que se arrasta e a recente desaceleração econômica dos BRICs, acredita-se que países como México, Indonésia, Nigéria e Turquia poderão se tornar economias fortes nas próximas décadas, sendo já citados como os MINTs.
 
Neste cenário novo cheio de desafios, é imperativo o papel das universidades para todos os países e principalmente para os emergentes e emergidos. Ao longo do tempo a missão da Universidade evoluiu de um foco centrado no ensino com o surgimento da Universidade no Século XI, para um foco no ensino e pesquisa desde o Século XIX, para um foco na participação direta no processo de desenvolvimento econômico, social e cultural.
 
O desafio principal das instituições de ensino e pesquisa nesta nova ordem econômica e social vem por conta da necessidade de um desenvolvimento mundial sustentável, capaz de suprir as necessidades da vida moderna e garantir o das futuras gerações. A sobrevivência da humanidade está proporcionalmente associada ao avanço do conhecimento e de como esse saber pode impulsionar a competitividade, tornando-se um instrumento robusto de riqueza e poder das nações. Nesta ótica, a informação e o conhecimento passam a alicerçar todo o capital, inclusive no campo das finanças, exigindo alterações no modo de gestão e de criação do trabalho intelectual e científico o que se caracteriza hoje a “sociedade do conhecimento”.
 
Sem conhecimento e sem ciência, tecnologia e inovação, não é possível sustentar os bilhões de seres humanos com os limitados recursos do globo terrestre, ou administrar e prover de serviços essenciais uma sociedade urbana, cada dia mais populosa. Em países como o Brasil, as universidades com produção de conhecimento de reconhecida excelência e de impacto poderão contribuir de forma marcante para a solução de problemas de ordem tecnológica no setor empresarial e/ou de políticas públicas.
 
A Lei de Inovação Tecnológica criada em 2004 e regulamentada em 2005, normatizou uma resolução para proteger o conhecimento gerado pelas pesquisas nas universidades federais, estaduais e municipais e institutos de pesquisas, bem como a criação de empresas de base tecnológica por pesquisadores e alunos e do uso dos laboratórios e demais recursos de infraestrutura por parceiros empresariais. Estas atividades embora já desempenhadas há algum tempo por algumas instituições não se constituíam como prática formal das universidades e sua gestão era, em alguns casos, desempenhada pelas fundações de apoio à pesquisa sem regulamentação oficial. A Lei também instituiu a criação dos Núcleos de Inovação Tecnológica – NIT’s e a obrigatoriedade de planos de políticas de inovação.Um dos desafios dos NITs no país e especialmente da Agência Unesp de Inovação (AUIN), que completa 5 anos em 2014, é desenvolver a cultura de inovação no meio universitário e criar mecanismos ágeis para levar as pesquisas da academia para dentro das empresas, transformando-as em verdadeiros motores da inovação tecnológica no país.
 
*Vanderlan da S. Bolzani é professora titular do Instituto de Química da Unesp de Araraquara e diretora da Agência Unesp de Inovação (AUIN).
 
Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da ANPG e são de total responsabilidade dos autores.
 

Rio de Janeiro recebe 24º CNPG
Rio de Janeiro receberá 24º CNPG

No último domingo (23), diretores da ANPG e pós-graduandos de todo o país reuniram-se na sede da entidade, em São Paulo. O objetivo da atividade foi debater, entre outros assuntos, a convocação e os detalhes da realização do XXIV Congresso Nacional de Pós-Graduandos (CNPG) e a Campanha pela Valorização das Bolsas e Direitos dos Pós-Graduandos.

O encontro também foi importante para coletivizar algumas ações que serão organizadas pelo Movimento Nacional de Pós-Graduandos no próximo período como a realização do 2º encontro de Pós-Graduandos Mineiros, previsto para a 2ª semana de outubro; realização do Conselho Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Direito (CONPEDI) na mesma data do 24º CNPG; 1º encontro de Pós-Graduandos da UFBA, previsto para abril; eleição da APG UFABC nos dias 26 e 27 de fevereiro; encontro gaúcho de pós-graduandos em 28 de março; encontro de pós graduação IQ-USP de 2 a 6 de setembro, entre outras ações.


Reunião da Diretoria Plena da ANPG. Foto: Marcelo Arias

XXIV Congresso

O XXIV Congresso Nacional de Pós-Graduandos foi convocado para os dias 1º a 4 de maio de 2014, na cidade do Rio de Janeiro, e terá como tema “Valorização da Ciência e dos Pesquisadores”. São esperados cerca de 1000 pós-graduandos de todo o país que  participarão de debates, Mostra Científica e eleição da nova diretoria da entidade.

Na reunião, foram apresentadas pela Comissão de Organização as propostas de Edital de Convocação, Regimento Geral, Regimento da Mostra Científica, Tema e Programação do XXIV Congresso Nacional de Pós-Graduandos.

Assim como congresso anterior, grupos organizados e pessoas que queiram manifestar suas opiniões acerca do Movimento Nacional de Pós-Graduandos podem elaborar teses prévias ao Congresso.

Em breve, todo o detalhamento acerca da publicação das teses, eleição dos delegados e Mostra Científica será amplamente divulgado.

Todos os documentos serão divulgados até sexta-feira (28). O prazo máximo de envio de trabalhos para a Mostra Científica é 24 de março.

  • Leia o edital do evento aqui

  • Leia o regimento do evento aqui

 

Atenção para as datas importantes de cadastramento de entidades e eleição de delegados para o 24º CNPG!

quadro
 

Campanha pela Valorização das Bolsas e Direitos dos Pós-Graduandos

A ANPG convocou todas as APG’s e pós-graduandos para atividades pelo Brasil em torno das bandeiras de Valorização das Bolsas de Pesquisa, a luta por Direitos dos Pós -Graduandos e a memória de 50 anos do Golpe Militar de 64, somando-se às Jornadas de Luta da Juventude Brasileira, anualmente organizadas pelo movimento estudantil.

Aulas públicas, debates, atos políticos e twittaço são algumas das atividades sugeridas para serem realizadas nas universidades na última semana de março e primeira semana de abril. As atividades devem ser comunicadas à ANPG através dos e-mails ou perfis nas redes sociais para que sejam divulgadas e posteriormente documentadas.

 
Da Redação

O Conselho Nacional de Associações de Pós Graduandos (CONAP) é uma instância deliberativa da ANPG. Reúne as APG’s de todo o Brasil para deliberar sobre assuntos de interesse do Movimento Nacional de Pós-Graduandos. Trata-se da consulta e aprovação da opinião política da entidade a partir da opinião do Movimento Nacional de Pós-graduandos, consagrado através das APGs, comissões Pró-APG, federações e associações de residentes.
Segundo o estatuto da ANPG, compete ao CONAP:
I – Encaminhar, conjuntamente com as diretorias Nacional e Executiva da ANPG, as deliberações do Congresso;
II – Deliberar, em segunda instância, acerca das teses, moções, adendos e propostas, desde que não conflitantes com as deliberações do Congresso;
III – Estudar e emitir pareceres sobre os trabalhos da Diretoria;
IV – Convocar, quando necessário, o Congresso extraordinário, devendo para isso contar com 2/3 do total de votos das entidades credenciadas ao Conselho;
V – Marcar data exata e local do Congresso e elaborar o Regimento Interno;
VI – Convocar, quando necessário, o novo CONAP, marcando para isso local e data para o evento;
VII – Revogar o mandato dos diretores da ANPG, garantido o amplo direito de defesa, no limite de 1/3 da diretoria, e preencher vacância na diretoria, independente da composição das chapas eleitas no CNPG.
A última edição do CONAP foi a 40ª edição e aconteceu em Fortaleza (CE). Clique aqui e veja a cobertura jornalística, documentos e fotos gerados pelo último CONAP.

Para saber mais sobre o 40º CONAP, Clique na imagem
Para saber mais sobre o 40º CONAP, Clique na imagem
Saiba mais sobre o 39º CONAP clicando na imagem
Saiba mais sobre o 39º CONAP clicando na imagem
image004
Confira mais sobre o 38º CONAP

Nova versão do Documento de Direitos e Deveres dos(as) Pós-Graduandos(as)

modelos de documentos
 

25º-CNPG-Conceito-2
09 a 12 de junho de 2016- UFMG

Veja o hotsite do 25º Congresso Nacional de Pós-graduandos— CLIQUE AQUI
 
 

O Congresso Nacional de Pós-Graduandos (CNPG) é a instância máxima de deliberação da entidade e compõe-se de membros delegados votantes e membros observadores não votantes, sendo soberano para decidir sobre todas as questões de interesse dos estudantes de pós-graduandos.

É normalmente realizado a cada 24 meses ou, extraordinariamente, quando convocado por 2/3 do Conselho Nacional de Associações de Pós-Graduandos (CONAP).
Segundo o estatuto da ANPG, compete ao CNPG:
I – Reconhecer seus associados;
II – Discutir e votar as teses, recomendações, moções, adendos e propostas apresentadas por qualquer um de seus associados;
III – Denunciar, suspender e destituir diretores da ANPG, de acordo com resultados de inquéritos procedidos, de acordo com o Capítulo III, do Estatuto.
IV- Receber e considerar os relatórios da Diretoria da ANPG, e sua prestação de contas;
V – Eleger a Diretoria da ANPG, mediante a inscrição de chapas, onde constarão, necessariamente, o nome completo, e números de CPF, RG e matrícula da instituição de ensino vinculada;
VI – Alterar o presente estatuto, com o voto de pelo menos 2/3 dos delegados presentes;
VII – Aprovar a dissolução da ANPG com o voto de pelo menos 2/3 dos delegados presentes, quando convocados para tal;
VIII – Deliberar sobre os casos omissos no presente estatuto.

25º-CNPG-Conceito-2
09 a 12 de junho- Universidade Federal de Minas Gerais

Veja o hotsite do 25º Congresso Nacional de Pós-graduandos— CLIQUE AQUI
 
Cartaz Anuncie Site
01 a 04 de maio de 2014- UFRJ

XXIV Congresso Nacional de Pós-Graduandos
Entre os dias 1 e 4 de maio de 2014 foi realizado, na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o 24º Congresso Nacional de Pós-Graduandos (CNPG), organizado pela Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG). Saiba mais!
Confira tudo sobre o XXIV CNPG
 
 
 
modelos de documentos