Foto: Tamara Naiz
Foto: Tamara Naiz

ANPG esteve no ato do dia 13, que reuniu 500 mil pessoas nas capitais do Brasil

A sexta-feira (13/03) vai ficar na memória da democracia brasileira. No país todo, mais de 500 mil pessoas marcharam para manifestar-se a favor da Petrobras, da democracia e pela reforma política. Houve atos em todos os estados da federação.

No maior deles, em São Paulo, 100 mil pessoas marcharam da Avenida Paulista à Praça da República, mesmo sob forte chuva. A Associação Nacional de Pós-Graduandos, juntamente com outras entidades estudantis, UNE, UBES, UEE e UPES, integraram a marcha, que contou ainda com membros de diversos movimentos sociais, como CUT, MST, MTST, CTB, UGT, CSB, MMM e FUP.

Dentre as pautas defendidas pelos manifestantes estavam também a defesa dos direitos dos trabalhadores e contra o corte orçamentário, que atingiu o Ministério da Educação e que tem refletido na vida dos pós-graduandos, com no atraso das bolsas de pesquisa.

“Mesmo debaixo de chuva e por um longo trajeto, os movimentos sociais organizados e a população tomaram as ruas de São Paulo, foram mais de cem mil pessoas e o recado foi claro: defesa da democracia, defesa da Petrobrás, pela reforma política e por nenhum direito a menos!”, comenta Tamara Naiz, presidenta da ANPG.

Ato dia 13 2

A concentração aconteceu desde cedo, em frente à Petrobras, no número 901, da Paulista, com a chegada de milhares de trabalhadores do campo e da cidade. Sindicatos, pastorais ligadas à terra e à moradia, movimentos diversos se uniram em clima de confraternização e logo fecharam uma das pistas da avenida.

Assembleia da APEOESP e greve dos professores

Por volta das 14 horas, no vão livre do MASP, o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (APEOESP) realizou assembleia, em que foi deflagrada greve. Entre as demandas do movimento estão reajuste salarial da categoria e dos benefícios e reabertura de salas para acabar com a superlotações. As entidades estudantis estiveram presentes e ofereceram total apoio à categoria. “O professor é meu amigo, mexeu com ele, mexeu comigo” entoaram as entidades.

“Essa luta é para salvar a educação pública no estado de São Paulo, e o mesmo tem acontecido com as universidades e as faculdades de tecnologia. Nós, os estudantes, e professores não podemos pagar pelas crises, e estamos com os professores nessa greve”, disse Carina Vitral, presidenta da UEE-SP, declarando apoio à greve da categoria.

Entidades estudantis e movimentos sociais pela defesa do Brasil

Às 16h, os dois movimentos se encontraram em frente ao MASP e seguiram em grande unidade pela avenida. Líderes das diversas entidades se revezaram no microfone, defendendo as pautas do ato.

A presidenta da ANPG, Tamara Naiz, explicou no carro de som o apoio dos pós-graduandos à Petrobras. “Boa parte dos nossos sonhos para a educação estão na Petrobras, como os recursos do Pré-Sal convertidos em investimentos no setor, seja em formação básica, superior ou ciência e tecnologia. Por isso nunca devemos privatizar nossas estatais. Também afirmamos que não queremos arrocho, corte de verbas para educação e é assim que a gente avança apoiando o que é certo, criticando e nos colocando no rumo para as mudanças que o Brasil ainda precisa”, enfatizou.

Foto: Nelson Antoine
Tamara Naiz, presidenta da ANPG, discursa em carro de som durante o ato do dia 13. Foto: Nelson Antoine

A diretora da UBES, Stephannye Vilela, afirmou a posição dos estudantes secundaristas: “Queria saudar toda a juventude neste ato, que veio dizer que nosso país tem avançado, que nós apoiamos este projeto de democracia brasileira. Viemos dizer que, ano passado, nós conquistamos um marco para a educação brasileira, que foram os recursos do petróleo para a educação. Por isso, estamos aqui para defender o que é nosso”, discursou.

Na Praça da República, onde a marcha terminou, a presidenta da UNE Vic Barros falou para os milhares de manifestantes. Ela defendeu a reforma política e fim do financiamento privado de campanha fundamentalmente para combater a corrupção e afastar o poder econômico das campanhas eleitorais. Além disso, falou sobre a importância de garantir as conquistas na área educacional.

“A manifestação do dia 13 de março foi uma demonstração de que as organizações dos trabalhadores não foram destruídas e que resistirão aos ataques à democracia. Ao mesmo tempo demarcaram claramente que querem que Dilma e o governo federal mude de rumo, a começar por retirar as MPs 664 e 665. Os 100 mil estiveram em São Paulo para dar o recado que querem o seu voto, e o conteúdo do voto popular, respeitado, que passa por defender a Petrobras e realizar uma verdadeira reforma política capaz de barrar a corrupção – cuja origem é o financiamento privado de campanha”, diz Gabriel Mendoza, diretor de Relações Internacionais da ANPG, que também esteve presente no ato.

Da redação com informações da UNE

 

Matérias relacionadas:

A ANPG convoca o movimento dos pós-graduandos e a sociedade a comparecer no ato do dia 13 de março
ANPG participa da Plenária Nacional dos Movimentos Populares

Author

1 Comment

  1. orlando de araujo Reply

    Bolsas da Capes para o Profmat continuam atrasadas. Valores previstos para o início de março ainda não foram depositados. Os atrasos vêm ocorrendo sistematicamente desde dezembro do ano passado, sem qualquer satisfação aos bolsistas, muitos dependendo desses valores para pagar despesas básicas.

Reply To orlando de araujo Cancel Reply