A Associação Nacional dos Pós-Graduandos, em conjunto com a comissão de bolsistas CAPES e CNPq da Universidade de Brasília (UnB), acaba de lançar a Campanha + Pesquisa + Educação, destinada a sensibilizar o Congresso Nacional para a emergência de instituições de fomento à ciência diante dos sucessivos cortes orçamentários que têm sido alvos. A iniciativa também é parte da Campanha S.O.S Ciência, lançada pela entidade em julho.

Na tarde de 18 de setembro, as lideranças estudantis já fizeram uma “blitz” na Câmara dos deputados, visitando parlamentares de diversos partidos políticos para que estes se comprometam a garantir os recursos necessários para Educação e Ciência e Tecnologia no orçamento de 2020. Para Flávia Calé, presidenta da ANPG, “o acompanhamento cotidiano do parlamento é fundamental para assegurar o êxito das pautas da pós-graduação. A batalha orçamentária em curso no Congresso Nacional é decisiva para que sejam satisfatórios os recursos das bolsas e de áreas importantes, como a educação e a ciência e tecnologia”.

Segundo Amanda Vitória Lopes, mestranda do programa de Ciência Política da UnB, a ideia de procurar parlamentares surgiu de conversas com amigos que trabalham no legislativo e detectaram que havia espaço em diversos segmentos políticos para ouvir as reivindicações de quem é diretamente afetado pelos cortes. “A receptividade tem sido muito boa. Nosso lema é “ninguém diz não para a educação, ninguém diz não para a ciência e para o desenvolvimento do país”. Todo mundo está de acordo, o que a gente está precisando é lembrar eles disso”, afirma.

O diretor de Comunicação da ANPG, Vinicius Soares, participou da ação na Câmara e relatou as intensas articulações para reverter a situação de inanição a que o governo submeteu a educação e a ciência. “Hoje conversamos com deputados, nos gabinetes ou nas comissões, para tentar ampliar o orçamento da CAPES e do CNPq. Fizemos isso mostrando relatórios de como os cortes impactam em cada estado. A ideia é sensibilizar e chegar no relator do orçamento”, disse.

Para que a Campanha + Pesquisa + Educação ganhe mais força e capilaridade, as lideranças estão orientando que a iniciativa se reproduza nos estados e municípios, que são as bases eleitorais de deputados e senadores.

Cortes e crise na pós-graduação
O CNPq, órgão fundamental para o fomento à pesquisa responsável por 84 mil bolsistas, esteve ameaçado cortar os repasses para todos os estudantes a partir de setembro. A situação relativa ao ano de 2019 só foi resolvida graças à pressão das grandes manifestações da comunidade acadêmica que ajudaram a viabilizar o acordo de repasse de 250 milhões dos recursos recuperados da Petrobrás.

No caso da CAPES, após ter congelado 11.800 bolsas ao longo do ano, o MEC autorizou a reabilitação de pouco mais de 3000 benefícios na semana passada. Ainda assim, a proposta de orçamento enviada pelo governo ao Congresso prevê corte de mais de 1 bilhão nos recursos da agência para 2020.

Escreva um Comentário