Mário Schenberg foi um dos mais importantes físicos brasileiros, mas sua atuação abrangeu também a matemática, a crítica de artes e a política. Nascido no Recife, em 1914, viveu parte da infância no Rio de Janeiro e, de volta à terra natal, ingressou na Faculdade de Engenharia, em 1931.

Dois anos depois vai para São Paulo, onde se forma como engenheiro elétrico pela Escola Politécnica e matemático pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, ambas da USP. Nesse período, Schenberg é muito influenciado pelos professores Gleb Wataghin e Giuseppe Occhialini, debruçando-se em temas fundamentais para as teorias da física, como sobre forças nucleares e partículas fundamentais, sendo um dos pioneiros desses estudos no país.

Em 1939, na Europa, desenvolveu estudos acadêmicos em Roma, Zurique e Paris. Nos Estados Unidos, em 1940, teve passagens pela Universidade de Washington e de Chicago, tendo realizado pesquisas com o físico indiano Subrahmany Chandrasekhar, que mais tarde ganharia o prêmio Nobel de Física, no Observatório Astronômico de Yelkes.

Da produção científica de Mário Schenberg destacam-se o “Processo Urca”, desenvolvido em conjunto com o ucraniano George Gamow, e o “limite Schenberg-Chandrasekhar”, realizado com o físico indiano acima referido, ambos no campo da astrofísica.

Schenberg teve destacada atividade política. Influenciado pela teoria marxista, ligou-se ao Partido Comunista. Na Constituinte de 1946, foi eleito deputado estadual e, ao lado de Caio Prado Jr., teve papel fundamental na aprovação da lei que daria origem à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Teve o mandato cassado quando o Partido foi colocado na ilegalidade.

Foi professor catedrático da USP e entre 1953 e 1961 foi diretor do Departamento de Física da universidade, além de ter sido um dos fundadores da Sociedade Brasileira de Física, tendo presidido a entidade. Com a ditadura militar, em 1964, volta a sofrer perseguições políticas e chega a ser preso. Foi aposentado compulsoriamente pelo AI-5, ficando inclusive proibido de frequentar a universidade, à qual só foi reintegrado 10 anos depois, com o início do período de distensão e abertura do regime.

Sua obra científica foi registrada pela professora Amélia Império Hamburguer no livro Obra Científica de Mario Schönberg, vencedor do prêmio Jabuti de 2010 na categoria Ciências Exatas. Mário Schenberg morreu em São Paulo, em 10 de novembro de 1990.

Escreva um Comentário