A APG-UFG reforçou a importância que estudantes e pesquisadores/as participem da audiência pública amanhã, dia 30/08, em Defesa da Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) em Goiás na Assembleia Legislativa do Estado de Goiás. O objetivo é o de debater e construir um documento coletivo a ser encaminhado a todos os candidatos ao executivo e legislativo do Estado de Goiás para apresentar propostas frente a realidade da CT&I no estado.
Além de reforçar a importância da participação de todos. A APG-UFG também soltou nota cobrando esclarecimento sobre os atrasos nos pagamentos das bolsas da Chamada Pública: n° 003/2018. A associação também levou a demanda à FAPEG e reivindicou uma posição oficial da Fundação, que cobra dos bolsistas relatório de andamento das pesquisas, mas não oferece condições para o desenvolvimento dessas pesquisas.
Leia a Nota na íntegra
A APG-UFG conseguiu uma reunião ontem, terça-feira dia 29/08/2018, com a presidenta da FAPEG, Maria Zaira Turchi, e o diretor científico, Albenones de Mesquita, para cobrar esclarecimentos sobre os atrasos nos pagamentos das bolsas da Chamada Pública: n° 003/2018. Após dois meses de espera os bolsistas começaram a receber esta semana, mas sem prazos de quando todos receberiam ou justificativas para o atraso. A APG-UFG levou a demanda à FAPEG e reivindicou uma posição oficial da Fundação, que cobra dos bolsistas relatório de andamento das pesquisas, mas não oferece condições para o desenvolvimento dessas pesquisas.
A presidenta garantiu que até sexta-feira, dia 31/08, todas as bolsas do mês atual serão pagas e até dia 10/09, serão pagos todos os retroativos. A justificativa dada é que a Secretaria da Fazenda do Estado de Goiás mais uma vez não fez os repasses devidos, pois a receita do Estado foi menor e a FAPEG não foi priorizada. O orçamento da FAPEG tem vinculação constitucional com a receita do Tesouro Estadual e mesmo assim o governo de Goiás não respeita o mínimo estipulado e trata com desdém a educação e o desenvolvimento científico e tecnológico no estado.  
Os atrasos das bolsas impacta diretamente não apenas a vida pessoal dos pesquisadores, que delas dependem para sua própria sobrevivência, mas também no andamento das pesquisas que eles cobram resultados, uma vez que os valores são utilizados no financiamento dos custos mais básicos para a execução das pesquisas, como participação em eventos, compra de equipamentos, materiais de consumo etc. Tanto descaso tem resultado em uma real precarização da vida dos graduandos e pós-graduandas. Nos preocupa que essa sinalização do governo do estado de que a FAPEG não entra na lista de prioridades seja um passo para a precarização da Fundação e que siga o mesmo caminho de outros estados, como Rio de Janeiro e Minas Gerais. A CT&I tem fundamental importância para o desenvolvimento educacional, social, econômico, político e tecnológico do estado de Goiás e do Brasil.
A APG-UFG continuará atenta aos próximos passos e reforça a importância que estudantes e pesquisadores/as participem da audiência pública amanhã, dia 30/08, em Defesa da Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) em Goiás na Assembleia Legislativa do Estado de Goiás. O objetivo é o de debater e construir um documento coletivo a ser encaminhado a todos os candidatos ao executivo e legislativo do Estado de Goiás para apresentar propostas frente a realidade da CT&I em nosso estado. Por isso, o documento deve reafirmar a necessidade de garantir a adoção de políticas públicas e o compromisso de financiamento para o avanço científico de nosso estado.

Escreva um Comentário