Author

Gabriel Nascimento

Browsing

5º SALÃO NACIONAL DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA

“Impacto da ciência na sociedade”

lineINÍCIO | NOTÍCIAS | INSCRIÇÃO | PROGRAMAÇÃO | EDITAL


 
Vem aí o 5º Salão Nacional de Divulgação Científica, um dos maiores eventos da Associação Nacional de Pós-Graduandos,  que acontecerá entre os dias 16 e 22 de julho, em Minas Gerais, Belo Horizonte. O evento será realizado durante a 69ª Reunião Anual da SBPC.
Com o tema “Impacto da ciência na sociedade”, o 5º Salão tem como objetivo principal a promoção da divulgação científica, da cultura nacional e a integração entre estudantes, professores, pesquisadores e comunidade em geral. Além disso, as atividades que serão realizadas durante o evento buscam aproximar a produção de conhecimento acadêmico da realidade social brasileira.
Acesse a página do 5º Salão Nacional de Divulgação Científica clicando AQUI
Envie AQUI o seu trabalho para a Mostra Científica do 5º Salão Nacional de Divulgação Científica
O tema central do 5º Salão que visa contribuir a analise do papel da ciência e suas contribuições para a transformação da sociedade nos seus mais diversos contextos. Este tema tem muita abrangência, mas é pouco discutido pela própria comunidade cientifica até então. Quando se fala em impacto, geralmente é sobre o impacto das publicações científicas, o que reduz a dimensão do papel da ciência em impactar a vida adas pessoas. Ao propor um tema como esse, a ANPG pretende ouvir a comunidade científica e os órgãos governamentais sobre a possibilidade de colocar o impacto da ciência na sociedade no centro da pauta e fomentar uma ciência mais humana, com a relação entre a pesquisa e a realidade social, econômica e política.
Dentre as atividades previstas, estão:
– Conferências temáticas com profissionais relacionados ao tema;
– Debates;
– Mostra Científica do 5º Salão;
Confira o edital da MOSTRA aqui
Veja mais informações sobre os demais salões:
1º Salão Nacional de Divulgação Científica
1o-salão-150x150
O 1º Salão Nacional de Divulgação Científica, organizado durante a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia de 2009, foi uma iniciativa das entidades estudantis nacionais: Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG), União Nacional dos Estudantes (UNE) e União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) em conjunto com a Comissão Executiva Nacional do Programa de Educação Tutorial (CENAPET), e teve como temática a “Popularização da Ciência no Brasil”. Aconteceu entre os dias 21 e 23 de outubro de 2009 na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) – São Paulo, SP.
2º Salão Nacional de Divulgação Científica
2o-salao-150x150
O 2º Salão Nacional de Divulgação Científica, organizado durante a 62ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), foi uma iniciativa das entidades estudantis nacionais: ANPG, UNE e UBES, em conjunto com a CENAPET e com a Organização Continental Latino-Americana e Caribenha dos Estudantes (OCLAE). Teve como temática “Integração Científica e Tecnológica da América Latina” e foi realizada  de 25 a 30 de julho de 2010 na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) Natal, RN.
3º Salão Nacional de Divulgação Científica
3o-salao-150x150
O 3º Salão Nacional de Divulgação Científica, organizado durante a 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), foi uma iniciativa das entidades estudantis nacionais: ANPG, UNE e UBES em conjunto com a Universidade Federal de Pernambuco. Teve como temática a: “Inovação, Desenvolvimento Sustentável e Soberania Nacional” e foi realizado entre 22 e 26 de julho de 2013, na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Recife, PE.
4º Salão Nacional de Divulgação Científica
Cartaz-Novo-724x1024
o 4º Salão Nacional de Divulgação Científica aconteceu entre os dias 12 e 17 de julho, na Universidade Federal de São Carlos, interior de São Paulo. Com o tema “Desafios e perspectivas para o Financiamento da Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil”.

Até o dia 16 de Janeiro resumos de trabalhos de Ciência e Tecnologia podem ser inscritos na 10ª Bienal da UNE, que acontece em Fortaleza, CE, para a Mostra CIÊNCIA E TECNOLOGIA.
Podem ser inscritos os projetos de C&T que fazem a comunicação de pesquisa científica copmo por exemplo, um projeto de iniciação científica, mestrado, doutorado, entre outros.

O coordenador do Fórum de Divulgação Científica da Associação Nacional de Pós-Graduação (ANPG) Phillipe Pessoa, um dos coordenadores da Mostra, afirma que o edital da Mostra Selecionada foi modificado nesta edição. “ Vamos conversar maiscom o restante da Bienal, tornar nossa mostra mais moderna e dinâmica. As apresentações serão orais, com horários divulgados amplamente para todo o público, e os participantes deverão enviar até 3 imagens representativas para a apresentação, afim de que o público se interesse e interaja com as apresentações dos trabalhos. Além disso, estamos pedindo  um resumo gráfico, uma imagem esquemática que sintetize visualmente a contribuição do trabalho a ser apresentado”, explicou.

Para Celso Ricardo Rego, também coordenador da Mostra, a expectativa é que os trabalhados aprestados na Mostra tenham uma qualidade excelente. “A organização será a melhor possível e acreditamos que as comunicações orais realizadas pelos autores dos trabalhos selecionados serão avaliadas da melhor forma possível com professores e especialistas em cada área. Além disso, esperamos que as pessoas que assistam possam extrai algo útil para sua vida acadêmica no sentido de contribuir para o desenvolvimento intelectual de cada um”, afirmou.

Todos os trabalhos apresentados serão ainda analisados e comentados por uma banca avaliadora. Os resumos selecionados e apresentados serão publicados no livro de resumo ISBN.

Viva a crítica!

Este ano a homenagem de C&T será ao pensamento crítico e 80 trabalhos serão selecionados de acordo com a relevância da contribuição na área da pesquisa.

De acordo com Pessoa o tema desta Mostra é Viva crítica! Na Ciência e na Democracia uma valorização do pensamento e da capacidade crítica dos pesquisadores e uma reflexão aos participantes da Bienal que nesta 10ª edição será uma “Feira da Reinvenção”. “ A capacidade crítica é fundamental também para viver plenamente a democracia. Uma das ferramentas para reinventar é praticar a capacidade crítica no cotidiano”.

E finalizou: “os fazedores de ciência também são artistas, a ciência também tem a capacidade de transformar a sociedade e a produção intelectual é mais do que reproduzir uma técnica”.

 

Mostra Selecionada de Ciência e Tecnologia 

Veja o Edital clicando AQUI

Envie seu Trabalho para a mostra selecionada de C  e T clicando AQUI

Ao longo do dia atualizaremos esta página com fotos e informações das atividades da Ocupação dos pós-graduandos e do movimento educacional brasileiro em Brasília contra a PEC 55 (241).

 


Gabriele Paulantti, ex-diretora da ANPG e atual Coordenadora-Geral da APG/USP-Capital, Helenira Preta Resende, fala em audiência pública no Senado e desconstrói os argumentos a favor da PC55 e 241.
15285090_1294187527309994_6218575026714288273_n 15179153_1294187500643330_8348925638244169163_n 15203212_1294187493976664_5943484386434816171_n 15203267_1294187433976670_3387820964604843249_n 15219417_1294187400643340_5144648745237296339_n 15170944_1294187380643342_9123343083613556109_n 15203298_1294187340643346_436722099356651335_n 15284190_1294187320643348_2118744693524514301_n

O corte de 20% das bolsas de iniciação científica pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) acendeu um debate muito importante no Brasil: qual a importância da iniciação científica no país, tanto para o futuro do país quanto para a pós-graduação, ciência e tecnologia.
A redação da ANPG procurou pós-graduandos, tanto ex-bolsistas de iniciação científica, quanto atuais bolsistas de iniciação, que destacaram o perigo desse corte.
“Sem iniciação científica não há estímulo para a ciência no país”, diz presidenta da ANPG. Historiadora pela UFG, a pós-graduanda e presidenta da ANPG teme que isso gere frutos negativos a curto e longo prazo. “O que está em jogo é o estímulo que esses jovens têm. O Brasil, que não tem um mecanismo de estímulo a jovens cientistas, corre o risco de perder recursos humanos num futuro muito próximo”
 
usar foto matéria
 
“Se não fosse a IC [iniciação científica], eu não ia descobrir tantas coisas legais na universidade. Se hoje eu quero fazer um mestrado, eu devo isso à iniciação científica, ao meu orientador e à orientação dada”, avalia Tiago Calazans Simões, bolsista de iniciação científica da Universidade Estadual de Santa Cruz, no sul da Bahia.
 

Foto divulgação: Facebook

Gabriel Nascimento, diretor da ANPG, foi bolsista de iniciação científica do CNPq. “Fui CNPq-AF. Foram 11 bolsas Ações afirmativas do CNPq em minha instituição e fomos o primeiro lugar. Uma professora negra me adotou. Ela se chamava Maria D’Ajuda Alomba Ribeiro. Se não fosse essa bolsa de iniciação, eu não estaria no doutorado hoje. Eu olhei diferente para a universidade a partir daquele dia. A orientação me ensinou escrever e publicar, olhar para o objeto científico e reconhecê-lo. Lembro que foi a iniciação que me levou a apresentar mais de 20 trabalhos em congressos, encontros, semanas de letras, e ainda publicar artigos em periódicos, em anais e resumos em eventos. Eu fico muito triste com essa denúncia do corte [de bolsas de iniciação científica pelo CNPq]. É uma pena porque muita gente não vai ter essa oportunidade”, comenta.
Gabriel Nascimento, diretor da ANPG, apresentando trabalho em 2013, no Congresso das Línguas Oficiais do Mercosul, na Argentina, segundo ele, fruto da iniciação científica

“A ANPG não só se solidariza, a ANPG tem um histórico de defesa da ciência desde a graduação. Essa sempre foi nossa defesa nos fóruns e conselhos. Prova disso é que sempre demos entrevistas e lutamos pela defesa do PIBIC e PIBID”, lembra Hercília Melo, diretora da ANPG.
“O corte de bolsas de Iniciação Científica indigna a ANPG, que vai continuar lutando contra qualquer corte de bolsas”, avisa Tamara Naiz, presidenta da ANPG.
 
Da redação

A presidenta da ANPG defendeu, ontem, que o povo decida sobre o destino da política brasileira
A presidenta da ANPG defendeu, ontem, que o povo decida sobre o destino da política brasileira

 
Presente em Cuba para o aniversário de 50 anos da Organização Continental dos Estudantes Latino-americanos e Caribenhos (OCLAE), a presidenta da ANPG, Tamara Naiz, deu entrevista ao mais importante programa de entrevistas da TV cubana, o Mesa Redonda.
“O Brasil tem um potencial muito grande, um território imenso, mas poucas iniciativas em sua história de defesa da soberania nacional. Isso se deu de forma importante nos governos Lula e Dilma, mas agora tudo isso está ameaçado”, ponderou.
Segunda a presidenta da ANPG, há um golpe em curso no Brasil e é preciso que os brasileiros decidam o futuro do país.
“Pessoalmente, eu defendo um plebiscito que consulte o povo brasileiro sobre novas eleições. O nosso congresso (25º Congresso Nacional de Pós-graduandos, realizado em Belo Horizonte no mês de junho, onde Tamara foi reeleita presidenta] aprovou uma carta em que denuncia o golpe em andamento e pede que prevaleça a vontade popular”, continua.
Segundo Tamara, é a educação e a ciência e tecnologia que estão em jogo. “Defendemos mais parcerias sul-sul e com os países da América Latina e Caribe para a ciência brasileira por entendermos que o Brasil precisa muito trabalhar com quem peculiaridades e similaridades nos processos históricos. Eu mesma, como historiadora econômica, acredito muito no potencial da América Latina”, concluiu Tamara.
 
Da redação

13989412_1258502660828108_1398872662_n
Gabriel Nascimento, diretor da ANPG, durante Encontro de Negros e Negras da UNE

 
Presente a convite da União Nacional dos Estudantes para o 5º Encontro de Negros e Negras da UNE (ENUNE), em Salvador, na última semana, o diretor da ANPG, Gabriel Nascimento, se mostrou preocupado com a portaria de cotas na pós-graduação, editada e publicada pelo Ministério da Educação no último mês de maio.
 
A portaria n. 13, de 11 de maio de 2016 instituiu que as universidades federais teriam 90 dias para apresentar propostas para a inclusão de negros (pardos e pretos), indígenas e pessoas com deficiência em seus programas de pós-graduação.
 
“Esses 90 dias já estão acabando. Na semana que vem acaba [dia 11 de agosto] e até agora poucas universidades aprovaram propostas nesse sentido. A maioria está deixando caducar a proposta”, denuncia.
 
 
Para ele é necessário realizar uma grande mobilização nacional com a ajuda do movimento negro unificado e com as organizações do movimento negro, como a União de Negros pela Igualdade, a Associação Brasileira de Pesquisadores Negros e ONGs como a Educafro.
 
“Já estamos em contato com o movimento negro e vamos fazer contato também com a Andifes, para tratar melhor isso com os reitores”, avalia.
A portaria tem o valor cessado amanhã.
Da redação 

expotec
 
Em resposta à extinção do MCTI pelo governo interino de Michel Temer, a ANPG convoca um ato político durante a reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que está ocorrendo na UFSB de Porto Seguro, contra a extinção do ministério.
 
Autoridades científicas e políticas prometem participar do ato. Pós-graduandos de diversas partes do país participam da reunião da SBPC.
 
Ato acontecerá amanhá, às 12h, na tenda cultural da SBPC.

Ontem, às 18h, durante reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), na UFSB em Porto Seguro-BA, a ANPG participou da comemoração dos 100 anos da Academia Brasileira de Ciências.
 
ABC comemoração
 
A presidenta da ANPG cumprimentou a solenidade e representou os jovens cientistas brasileiros. “É uma honra ver uma organização como a Academia chegando a 100 anos representa um grande pilar na história da ciência brasileira”, afirma.
A solenidade teve a presença de autoridades políticas e científicas.

A comunidade acadêmica e científica vem resistindo à extinção do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), que toma a forma de fusão com o Ministério das Comunicações (MiniCom). Considerando as atuais manifestações, com atos e campanha, como o #VoltaMCTI (https://www.youtube.com/watch?v=qOtlwFY5Bko)  da Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG),  diversas instituições e personalidades ligadas à universidade e ao sistema de C,T&I contrárias à medida com intuito de expressar uma posição unificada organizam um manifesto “Em defesa da Ciência e da Nação – Manifesto contra a extinção do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação”. O documento coletivo surge de reuniões regionais da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) no Rio de Janeiro, das atividades realizadas pelo Movimento Nacional de Pós-Graduandos que compõem a ANPG, da Fundação Maurício Grabois, da Federação de Sindicatos de Professores e Professoras de Instituições Federais de Ensino Superior e de Ensino Básico Técnico e Tecnológico PROIFES) e da Sociedade Brasileira de Proteção Radiológica (SBPR), entre outras instituições, com intuito de aglutinar mais apoiadores e signatários através de adesões, numa demonstração da pujança acadêmica e científica contra o desmonte do sistema e das políticas de C,T&I no Brasil. Além deste manifesto, as entidades listadas estão organizando o ato unificado intitulado “Fica MCTI! Em defesa da democracia, da Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil”, que ocorrerá durante a 68ª Reunião Anual da SBPC, em Porto Seguro, Bahia, no dia 05 de julho, às 18h.

O endereço eletrônico que está reunindo novos integrantes do Manifesto é o: [email protected], basta enviar um e-mail para [email protected] com o nome e sigla da instituição e um contato do responsável ou com o nome e instituição da pessoa física.

No site da ANPG você poderá encontrar mais informações sobre o ato durante a SBPC: http://www.anpg.org.br/.

Assine, participe, divulgue e colabore na aglutinação para maior número de adesões. O manifesto terá grande circulação já na reunião da SBPC

Leia o manifesto na íntegra clicando AQUI